PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA: VOCÊ TEM ORADO PELO BRASIL?

Artigo

0

Hoje (15) é celebrado o Dia da Proclamação da República. A proclamação culminou, dentre outras coisas, na mudança do sistema político brasileiro. A partir dessa data, o Brasil, antes considerado uma monarquia, passou a ser tido como República. Após a proclamação, o país viveu várias fases políticas conhecidas como República Velha, Era Vargas, Regime Liberal Populista e Regime Militar. Atualmente, vivemos no período denominado de Nova República, caracterizado pelas eleições diretas. Esse novo modelo é fruto, especialmente, da mobilização popular que, por meio de manifestações, lutou pelo direito de escolher os seus governantes.

Pois bem, no próximo ano (2018), nós cristãos, iremos também travar uma grande batalha e podemos vencê-la. No entanto, nossa mobilização será feita com um diferencial: as nossas vozes não serão ouvidas por meio de um megafone nas ruas das cidades. As nossas vozes precisam subir até os ouvidos do Deus Vivo, Aquele que realmente pode trazer o melhor para a nossa nação! Precisamos orar pelo Brasil! Reflita em alguns motivos para dobrar os seus joelhos em prol do nosso país.

PARA SERMOS BEM-AVENTURADOS

“Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor, e o povo ao qual escolheu para Sua herança” (Salmos 33.12).

A Palavra de Deus é verdadeira! Se ela nos diz que é bem-aventurada a nação cujo o Deus é o Senhor, é porque, de fato, é assim. A pastora Ângela Valadão bem nos lembrou, no Congresso Lagoinha em Adoração e Intercessão 2017, que, quando a Coreia do Sul se posicionou, após a separação da Coreia do Norte, perante o Senhor, o país foi abençoado.

Antigamente a situação era de completa miséria e, hoje, a Coreia do Sul é considerada uma potência tecnológica. Não foi por acaso! Segundo Ângela, alguns pastores que estiveram na Coreia do Sul lhe disseram que aquela nação respira oração.

PORQUE ESTAMOS SUJEITOS ÀS AUTORIDADES

“Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ação de graças por todos os homens; pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade. Isso é bom e agradável perante Deus, nosso Salvador, que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade” (1 Timóteo 2.1-4).

O Senhor nos orienta a interceder pelos governantes para que tenhamos uma vida digna. O homem a quem foi concedida autoridade exerce influência sobre um grande número muito de pessoas.

Se a pessoa estiver então em posição de governo no poder executivo subjuga toda uma nação. Afinal: “Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por Ele estabelecidas” (Romanos 13.1). É impossível não estarmos sujeitos às decisões dos governantes, porque, além de terem esse direito reguardado por lei, é um fato bíblico e a Palavra de Deus se cumpre!

PARA SERMOS CONFUNDIDOS COM OS REBELDES

“Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos” (Romanos 13.2).

[Foto: Comunicação Lagoinha]

É verdade também que o Senhor estabelece todas as autoridades, mas a pergunta é: que tipo de governo temos pedido? Aliás, será que temos feito ao menos algum pedido ao Senhor? Quantas vezes dobramos os nossos joelhos no chão e oramos pela direção do nosso país?

Deus instituiu Saul como rei, após ouvir o clamor dos israelitas – que não queriam mais o governo do Senhor por meio dos juízes. E, mesmo o Deus acatando a tal pedido, tendo Ele escolhido aquele rei, o povo sofreu nas mãos de Saul, que acabou se desviando dos caminhos certos. Não foi por mero acaso que isso ocorreu, porque os israelitas não ficaram muito atrás de seu rei, pois eram rebeldes, não tinham corações quebrantados e não estavam dispostos a ouvirem a vontade de Deus sobre o assunto. E nós? Qual coração que temos tido?

PORQUE SOMOS CRISTÃOS

Será que vamos precisar sofrer em consequência dos erros daqueles que nós mesmos “clamamos” para serem “reis” de nossa nação? Ou será que faremos diferente: nos dobraremos ao Senhor, nos arrependeremos de termos andado tanto tempo na nossa própria vontade e ouviremos o que Ele tem a dizer sobre nossos votos eleitorais? Somos cristãos verdadeiramente, que, assim como Cristo, tem por comida e bebida fazer a vontade do Pai?

É tempo de orarmos e intercedermos para que a salvação chegue a todos os homens, inclusive àqueles a quem foi concedida autoridade para governar nosso Brasil, pois isso é agradável ao Senhor e benção para o Seu povo. A nossa posição em relação ao assunto é uma oportunidade para refletirmos o caráter de Cristo. Pense nisso.

:: THOMAS HACKNNER        

você pode gostar também Mais do autor