Planos em tempos de incerteza

0

Você já teve medo de assumir publicamente um compromisso por receio de não conseguir cumpri-lo ou levá-lo adiante? Quem nunca temeu anunciar o início de um relacionamento por ser “recente demais”? Quem nunca temeu anunciar uma mudança movida pelo medo de não dar certo? Quantas mães não deixaram de anunciar a gestação logo no início por medo de perderem o bebê? Quantos projetos ficaram engavetados pelo medo de não irem adiante? Tememos o fracasso, tememos afirmar que faremos algo e não conseguirmos. Tememos que nossos planos não ocorram conforme planejamos e anunciamos; tememos compartilhar nossas iniciativas, sonhos, ideias e decisões, porque, no fim das contas, tememos o fracasso. FRACASSO: falta de êxito; malogro; derrota. Certamente, todas nós já sentimos esse gosto amargo.

Em tempos de crise nossos temores tendem a se tornar ainda maiores, a incerteza e a insegurança insistem em nos assombrar. Tememos assumir qualquer compromisso ou fazer planos pois o cenário não é propício. E se não der certo? Ah, como é difícil ser um pouco otimista quando os ventos sopram em outra direção.

Enquanto escrevo estas palavras, escrevo-as na condição de uma noiva que fez planos, promessas, assumiu compromissos e hoje se vê diante de um cenário incerto. Definitivamente, mesmo em nossos planos mais pessimistas, não contávamos com uma pandemia; em nossa frágil existência fomos pegos de surpresa.

O ano de 2020 tem nos mostrado quão frágeis são os nossos planos. Esperamos sair daqui com algumas lições aprendidas, se nada der certo, que pelo menos tenhamos a humildade de reconhecer que nossos planos nunca foram soberanos em absolutamente nada. Sem que a boa mão de Deus não os conduza a êxito eles estão fadados ao fracasso. Contudo, isso não deve nos desencorajar, de forma alguma. A Bíblia nos encoraja a perseverar em tempos de crise; a florescer mesmo em solos não tão férteis [Coragem!].

Lembro-me das palavras do profeta Jeremias anunciadas ao povo cativo na Babilônia, no caso deles a “quarentena” duraria setenta anos e para esse tempo Deus ordenou: “Edificai casas e habitai nelas; plantai pomares e comei o seu fruto. Tomai esposas e gerai filhos e filhas, tomai esposas para vossos filhos e dai vossas filhas a maridos, para que tenham filhos e filhas; multiplicai-vos aí e não vos diminuais” (Jeremias 29:5,6). Em outras palavras: sigam em frente, são tempos difíceis, mas vocês não estão autorizados a parar [sigam em frente].

Mas, seguir em frente não é fácil, requer coragem, e, acima de tudo fé. CORAGEM: 1. bravura, intrepidez. 2. firmeza de espírito para enfrentar situação emocional ou moralmente difícil. FÉ: a certeza das coisas que se esperam, a convicção de fatos eu não se veem (Hb 11:1). A coragem e a fé não excluem o medo, mas o dominam; elas o colocam em seu devido lugar e seguem em frente; amparadas pela verdade de que o Senhor é conosco precisamos encarar nossos exílios e quarentenas com coragem.

Não seja dominada pelo medo. Embora exílios e quarentenas não sejam cenários muito animadores, é preciso seguir em frente. Não desanime, a graça de Deus também se manifesta no exílio; ela se manifesta para além da fôrma que a colocamos. O lugar e as circunstâncias em que estamos não nos definem; nossa identidade está em Deus e Ele nos diz: somos povo, apesar do pó e das correntes em nossos pés. Há caos no mundo, mas olhe para o céu lá fora, veja seu espetáculo ao entardecer. A graça de Deus continua brilhando.

Faça planos

Apesar do cenário desencorajador há uma razão boa o suficiente para que continuemos a fazer planos: Deus tem um plano; e esse plano, minhas caras, não pode ser frustrado, nem pelos céus nem pela terra. Sim, o nosso Deus é um Deus de planos, Ele não é o relojoeiro que deu corda no mundo e simplesmente o abandonou; Ele tem um plano para este mundo e tem um plano para mim e para você e, embora nós não saibamos ao certo como esse plano está sendo executado em nosso mundo, uma coisa é certa: Ele está nos conduzindo para lá. Tendo sido criados à sua imagem, Ele nos convida a juntarmo-nos a Ele em sua obra criativa, fazendo planos, criando, construindo e cultivando a terra que Ele nos deu.

Portanto, se diante desse cenário incerto Deus te diz “siga em frente!”, então vá, inicie algo novo, abrace esse relacionamento promissor com fé – não no relacionamento, mas em Cristo – case-se, tenha filhos, estude, ensine, compartilhe, reinvente-se. Se isso que está no seu coração glorifica a Deus, ponha para fora! Não tenha medo. Conquanto não saibamos quais os planos de Deus para os próximos dias, ele sabe e isso basta.

Faça planos. Ter fé não é viver ao acaso, mas confiar que Deus controla tudo, inclusive os nossos planos. Ore a Deus, busque a sabedoria e o discernindo do alto e das pessoas que estão próximas a você. Seja sábio, pois de nada valem os planos se não houver neles sensatez. Faça aquilo que estiver ao seu alcance, conforme as tuas forças.

“Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma.” Eclesiastes 9.10

Minha oração é para que não sejamos guiadas pelo medo, mas pela coragem, afirmando com convicção e paz no espírito: “se Deus quiser, faremos isto ou aquilo” (Tg 4:15). Quero te encorajar a não paralisar sua vida por causa da pandemia. Se há planos a serem feitos, faça-os; se há sonhos a serem sonhados, sonhe-os; se há noivados a serem realizados, realize-os (com toda a segurança!); se há bebês a serem concebidos, conceba-os; se há serviços a serem prestados, preste-os da melhor forma possível, mas não se deixe desanimar pelas circunstâncias. Não se deixe paralisar pelo medo. O povo da cruz é um povo corajoso, não porque não sinta medo, mas porque sabe onde colocá-lo enquanto avança pelas íngremes montanhas da jornada rumo à Cidade Celestial.

Esteja preparada para as frustrações

Sei que a essa altura esta frase definitivamente não é o que esperamos ler, mas doses de realidade são sempre necessárias, para o nosso bem. As frustrações virão, esteja preparada para elas. Pode ser que no final das contas nossos planos não deem certo e voltemos à frustração do primeiro parágrafo deste texto. E se isso acontecer, o que faremos? Como reagiremos? E se o projeto não for adiante? E se o relacionamento for rompido? E se a gestação for interrompida ou sequer acontecer? Como responderemos? Eu não sei, e talvez você também não saiba, é difícil encarar o fracasso, ainda mais quando nossos olhos estão fitos no sucesso. Mas, uma coisa é certa, ao longo da caminhada cristã tenho aprendido que Deus sempre será suficiente, mesmo diante das maiores frustrações que a vida tenha a oferecer. Ele sempre será suficiente.

Nossos planos podem falhar, mas os planos de Deus jamais falharão, Ele sabe para onde está nos guiando. Podemos nos gloriar nas nossas frustrações porque é na nossa fraqueza que o poder de Deus se aperfeiçoa. Deus tem um plano que não falhará, e a luz desse plano encobre todas as nossas frustrações. Isso é suficiente.

Você não precisa dar conta de tudo

Por incrível que pareça Deus não está nos pedindo para darmos conta de tudo. Sei que é difícil, mas precisamos aceitar que nós definitivamente não conseguiremos dar conta de tudo – de todos os cursos, de todas as “Lives”, de todos os conteúdos, de todas as leituras ou de todos os projetos; e se tentarmos fazer isso ficaremos saturadas e doentes, e não é essa a vontade de Deus para nós. Tenha compaixão da sua mente, do seu corpo, dê uma trégua, tome fôlego. Permita-se não fazer nada, permita-se não processar tantas informações. Permita-se.

Faça segundo as tuas forças, nem mais, nem menos. Que esse tempo não seja de sobrecarga mental, emocional e espiritual, precisamos nos manter sãs e confiantes no Plano que Deus está executando em nosso mundo, as tarefas não podem ser uma fuga da realidade. Se Cristo não está sendo glorificado todo o nosso trabalho é inútil. Não precisamos nos comparar com o que os outros estão fazendo, precisamos nos comparar com base naquilo que Deus quer que façamos.

Mas aqui vai um alerta: em contrapartida, não devemos ceder à de procrastinação e a preguiça, devemos organizar nossas vidas para que possamos ser bons mordomos do tempo que Deus tem nos concedido – quem sabe o que nos espera adiante? Quem sabe esses dias não são o fôlego que precisamos tomar para os tempos difíceis que nos esperam adiante?! Quem sabe essa “pausa” não é o intervalo entre o encher das lamparinas e o anúncio da vinda do noivo (Mt 25.1-13)?! Estaremos preparadas? Cansadas demais? Ou preguiçosas demais? Como estaremos?

Não podemos dar conta de tudo, mas podemos dar conta de alguma coisa, talvez de apenas um punhado, aquilo que está ao nosso alcance nesse momento, mas isso, certamente, é o bastante. Não deixe que a produtividade se torne um ídolo nesses dias, não deixe que a comparação te impeça de enxergar os seus avanços e, por favor, não assuma um fardo que Deus não colocou sobre você.

Seja encorajadora

Falamos sobre coragem, mas vale lembrar que a coragem nem sempre vem quando nossos joelhos estão dobrados, muitas vezes ela vem por meio de uma palavra amiga, um encorajamento, um “siga em frente” audível. Seja uma encorajadora. Não seja aquela que irá desmotivar aqueles que estão ao seu redor. Seja aquela que irá dizer: “Olhe, sei que são tempos difíceis aos nossos olhos, mas Deus está no controle. Eu vou orar por você, conte comigo.” Compartilhar sonhos e planos já é algo bem difícil de se fazer diante do medo do fracasso, então sejamos sensíveis para com as pessoas que tomam a coragem de compartilhar aquilo que está em seus corações. Ao invés de apontarmos tudo o que pode dar errado – ou, maldosamente, torcer para que isso ocorra – devemos ser aquelas que irão encorajar e dar suporte, animar e não desanimar. Seja uma encorajadora, os céus se alegram.

Por fim, deixo aqui o meu encorajamento: KEEP CALM, Deus tem um plano – e ele não pode ser frustrado!

Artigo Original: Voltemos ao Evangelho.

você pode gostar também Mais do autor