Ore pela China: 43º país na Lista Mundial da Perseguição 2018

#Noticias

0

Infelizmente, os cristãos chineses têm enfrentado um estreitamento cada vez maior. Tudo isso por causa do regime mais rígido do presidente Xi Jinping, que busca se consolidar no poder e quer ter o controle de tudo no país asiático. Para isso, o político também mira nas religiões, sobretudo na minoria cristã, mas que vem crescendo.

A maior perseguição, porém, ainda vem de líderes religiosos de outras crenças e que tem grande influência com Xi Jinping, como o budismo tibetano e os muçulmanos. Quando um indivíduo de um desses dois grupos se converte ao cristianismo, ele sofre opressão por parte de seus familiares.

Por ser comunista, a China seria contra qualquer tipo de religião, já que a teoria marxista defende que a “religião é o ópio do povo”. Uma alternativa, porém, o confucionismo, foi a fé adotada pelo chineses. O sistema filosófico foi criado por Confúcio, filósofo que viveu antes de Cristo. Como o governo tem reforçado os valores dessa linha de pensamento, a religião cristã pode ser vista como uma ameaça futuramente, o que deve aumentar drasticamente a perseguição aos cristãos.

Notas sobre a situação atual

A comunidade cristã passou a crescer a partir da década de 1980; aumento que teve a pressão da perseguição como combustível. Há, no entanto, desafios nessa caminhada:

• O materialismo crescente e o consumismo representam uma séria ameaça. Também não é fácil encontrar e treinar líderes capazes de cuidar de congregações em crescimento.

• As igrejas precisam de ajuda no desenvolvimento de atitude e estruturas missionárias. Os representantes da igreja se comprometeram a enviar 20 mil missionários até 2030. Os missionários se deparam com dificuldades que a igreja local não sabe como lidar. Por exemplo, adaptação na cultura local, pastorado, contato da igreja em casa, filhos, seguro (doença, família, aposentadoria) etc.

• Os cristãos que se converteram em outros países muitas vezes retornam e não se sentem em casa nas estruturas das igrejas chinesas atuais. Isso, por sua vez, pode fazer com que sejam observados com cautela, embora muitos consigam se integrar depois de algum tempo.

• Em 24 de maio de 2017, dois missionários chineses foram sequestrados por islâmicos radicais em Quetta, no Paquistão, onde mais tarde os mataram. Esse fato marcou a China, pois tem consequências de longo alcance para os próximos anos. Por isso, mais e mais missionários chineses serão enviados para lugares mais difíceis e improváveis do mundo. Com a nova política da Estrada da Seda do governo, os cidadãos chineses terão um acesso relativamente fácil a muitos países, mas a posição do governo e a recepção dos outros países podem pesar.

• Em agosto de 2017, vários edifícios, pertencentes a uma igreja na província de Shanxi, foram destruídos. As casas dos cristãos foram invadidas e seus pertences confiscados em Guangdong, Xinjiang e Anhui. Outras igrejas também foram invadidas, e os proprietários de instalações alugadas para igrejas foram pressionados a rescindir os contratos.

Pedidos de oração:

  •  Interceda pela igreja cristã na China, que ela cresça em tamanho, mas principalmente, seja fiel ao Senhor Jesus Cristo e aos ensinamentos bíblicos.
  • Ore pelos cristãos tibetanos e ex-muçulmanos na China, para que cresçam na fé em Cristo e sejam fortalecidos para enfrentar a perseguição.
  • Peça por proteção, direção e sabedoria do Senhor para todas as equipes cristãs envolvidas em projetos na China.

República Popular da China

Fonte de Perseguição: Opressão comunista
Capital: Beijing
Região: Ásia
Lider: Xi Jinping
Governo: Comunismo
Religião: Budismo, cristianismo, islamismo, outros
Idioma: Chinês
Pontuação: 57
População: 1.4 bilhão
População cristã: 97.2 Milhões

:: Site Portas Abertas

você pode gostar também Mais do autor