O que é um meio de graça?

0

Uma breve pesquisa dos cinquenta livros cristãos mais vendidos revela quais assuntos são de maior ou menor interesse para a  maioria dos cristãos professos. Livros sobre propósito, finanças, personalidade, autoestima, linguagens do amor e limites relacionais dominam a lista. Livros sobre o Deus triúno, Cristo, pecado, evangelho, Escritura, pregação, sacramentos, oração, disciplina da igreja e igreja local estão lamentavelmente ausentes. Uma vez que Jesus Cristo e sua obra salvadora formam o fundamento da nossa fé (1 Co 2.2; 3.11), devemos estar mais preocupados em saber como crescer na graça e no conhecimento de Cristo (2 Pe 3.18). Nosso crescimento na graça de Cristo  será proporcional ao nosso uso dos meios   que Deus designou. Teólogos se referem a eles como “meios de graça” (media gratia).

Os meios de graça são os instrumentos designados de Deus pelos quais o Espírito Santo capacita os crentes a receber Cristo e os benefícios da redenção. [1] Embora ele pudesse ter escolhido revelar Cristo imediatamente ao seu povo, ele determinou, antes, fazê-lo através de certos meios. Deus designou a Palavra, os sacramentos e a oração para serem os meios principais pelos quais ele comunica Cristo e seus benefícios aos crentes.

Jesus ensina que as Escrituras são o meio principal e indispensável da salvação (Lc 16.31; 24.27, 44-45). A pregação da Palavra de Deus era central no ministério dos apóstolos (At 2.22, 41; 4.4; 5.20; 6.7; 12.24; 15.7, 32, 36; 16.14; 19.20; 20.32). Paulo explica, em Romanos 10.17, “a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo.” Os apóstolos deram o mais alto valor à Palavra de Deus como o meio de salvação e santificação dos crentes (Cl 3.16; Hb 5.14; Tg 1.18, 21, 25; 1 Pe 2.2).

A Escritura também ensina que Deus designou os sacramentos para serem meios de graça. Paulo faz a conexão entre batismo e graça da salvação quando escreve, “[Deus] nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo” (Tt 3.5). Ele se refere ao “cálice da bênção” (1 Co 10.16) quando fala da Ceia do Senhor. A graça salvadora de Cristo é comunicada espiritualmente aos fiéis quando eles participam da ceia pela fé. Por outro lado, aqueles que participam “indignamente” (i. e., em descrença) podem estar sujeitos ao julgamento de Deus (11.27-32).

A oração é também um meio de graça, de acordo com a Escritura. Deus prometeu redenção a todos que o invocam em verdade. No dia de Pentecostes, Pedro declarou, “E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (At 2.21).

Encontramos uma definição histórica útil de meios de graça no Breve Catecismo de Westminster, onde lemos: “Os meios exteriores e ordinários pelos quais Cristo nos comunica as bênçãos da redenção são as suas ordenanças, especialmente a Palavra, os sacramentos e a oração, os quais todos se tornam eficazes aos eleitos para a salvação” (BCW 88).

Como os meios de graça se tornam eficazes? Como eles funcionam? Eles não funcionam por si mesmos (ex opere operato), como a Igreja Católica Romana insiste. Pelo contrário, eles operam pelo Espírito de Deus nos corações dos eleitos, mediante fé. Como o Breve Catecismo de Westminster 91 explica,

Os sacramentos tornam-se meios eficazes para a salvação não por alguma virtude que eles ou aqueles que ministram tenham, mas somente pela bênção de Cristo e pela obra do seu Espírito naqueles que pela fé os recebem.

Os membros da Assembleia de Westminster não acreditavam, no entanto, que todos os meios de graça são igualmente eficazes: “O Espírito de Deus torna a leitura e, especialmente, a pregação da Palavra, meios eficazes para convencer e converter os pecadores, para os edificar em santidade e conforto, por meio da fé para salvação” (BCW 89). O teólogo reformado Geerhardus Vos deu uma base lógica para a prioridade da Palavra sobre os sacramentos quando escreveu:

Se necessário, podemos pensar a Palavra como um meio de graça sem sacramento, mas é impossível pensar o sacramento como meio de graça sem a Palavra. Os sacramentos dependem da Escritura, e a verdade da Escritura fala neles e através deles.

Da mesma forma, a oração se torna meio de graça somente quando é moldada pela verdade da Escritura. O Espírito Santo toma a Palavra e capacita os crentes a orar de acordo com a vontade de Deus.

Se quisermos crescer na graça, devemos reconhecer que Deus designou certos meios para esse crescimento. Devemos abordar esses meios com ávida expectativa e dependência de uma criança naquele que adiciona sua bênção a eles, e precisamos permanecer contentes no uso correto deles, sabendo que Deus prometeu abençoá-los à medida que os usarmos com arrependimento e corações fiéis.

Devocional Original: Voltemos ao Evangelho.

você pode gostar também Mais do autor