O que acontece depois do chá de bebê

0

Nós podemos ter múltiplas funções quando nos tornamos mãe.

Quando meu filho era ainda bem pequeno, eu descobri que estava me tornando uma pedagoga[i]. O ensino é umas das principais tarefas da mãe.

Eu também me tornei uma confeiteira e doceira, produzindo quitutes especiais e saudáveis, que inacreditavelmente arrancavam elogios do meu pequeno.

Eu aprendi também que era capaz de ser mecânica de carrinhos de plástico, arquiteta urbana de grandes empreendimentos construindo cidades de Lego.

Tornei-me inclusive pintora, enfermeira, jogadora de futebol de botão, goleira de futebol de campo nos sábados ensolarados, contadora de histórias nos dias chuvosos.

Você, mãe de menina, provavelmente poderá ser avó precocemente quando a sua menininha, toda faceira, trouxer nos braços sua boneca preferida. E provavelmente você se tornará uma costureira e fará as roupas de suas bonecas. Vai poder se especializar em estética, não há meninas que não gostem de fazer penteados e maquiagem nas mães e nas tias.

Haverá dia em que você não se sentirá capaz de assumir mais uma nova função / tarefa / personagem, porque tem ocasiões em que a gente nem consegue se lembrar quem nós somos no final de um dia de muito, muito trabalho. Nesse dia, eu sugiro que você se sente na beira da sua cama (que pode ser que nem esteja arrumada), conecte-se com o céu e fale com o nosso Pai celestial que nos deu o dom da vida. Ele poderá lhe dar descanso, consolo e renovar suas forças.

Mateus 11.28-30 Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.

O amor será mais que um sentimento, o amor será o motor de sua existência. E nós não estamos falando do amor romântico, estamos falando do amor de verdade, que age, cuida, transborda e se sacrifica.

Talvez o maior aprendizado que recebi como mãe foi aprender a amar incondicionalmente.

Incondicionalmente significa que não há condição para amar. Nós amamos o filho rebelde, amamos o filho pródigo, amamos também um filho que não cuida de nós, amamos o filho que ainda não se arrependeu e creu na salvação. Amamos nossos filhos independente de suas virtudes e defeitos, amamos além de seus pecados.

Amamos incondicionalmente! Amamos como Jesus nos amou quando ainda éramos inimigas de Deus.

1 Coríntios 13.4-7 O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 

Como mãe eu aprendi muito mais do que ensinei. Depois do casamento, a maternidade é a forma mais eficaz de santificação.

Você vai crescer em santificação quando tiver que renunciar a algo pelo seu filhinho, e, nós, mães, renunciamos em tempo integral!

Renunciamos o tempo (o nosso precioso tempo), renunciamos às viagens com o marido, às atividades com as amigas, às reuniões da igreja. Renúncia é quase um sinônimo da palavra maternidade!

Mas com a graça de Deus, nós crescemos em sabedoria e aprendemos a nos conformar a Cristo e a doarmos nossas vidas pelos nossos pequenos e pequenas. Isso é graça! Graça de Deus.

A paciência é outra face da santificação, fruto do Espírito, que aprendemos em ritmo acelerado na maternidade. Aprendemos que a paciência é um elemento essencial no trato com os pequenos, paciência porque eles têm o próprio ritmo.

Gálatas 5.22-23 Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.

Algumas vezes, um ritmo lento para aprender alguma instrução que ensinamos pela milésima vez! Outras vezes, havemos de ter paciência com o ritmo acelerado e ansioso na espera da festa de aniversário, ou do presente desejado, ou da chegada de alguém especial.

A paciência é mestra no dia das tristezas, ela nos faz colocar nossa criança no colo, encostar sua cabecinha em nosso peito e acalmar o sofrimento que muitas vezes nem tem um motivo muito certo para acontecer.

Paciência também será amiga para ajudar nossos filhos quando ficam doentinhos e nós precisarmos colocar nossa confiança em Deus e esperar pelo tempo de cura.

Mas todos esses papéis e habilidades são graça de Deus em sua vida para cumprir o papel mais importante de mãe: fazer de seu filho um discípulo de Jesus Cristo! Ah! Achou que eu não iria falar sobre isso?

Os filhos, como qualquer outro discípulo, aprendem ouvindo, vendo, andando junto conosco. Eles observam como nos relacionamos com nosso marido, como nos relacionamos com os perdidos. Se o que falamos condiz com o que vivemos na prática.

Nós somos o primeiro exemplo que os pequenos imitam, seja para o bem ou para o mau.

Você e seu marido serão para seu bebê o primeiro reflexo da imagem de Cristo que ele vai conhecer neste mundo.

Vocês serão para seu filho a primeira memória do bom perfume de Cristo. Isto deve constranger vocês a andarem mais perto de Cristo, para estarem mais conformados a Cristo e então serem o modelo que seu filho poderá imitar para seguir Jesus. Essa é a grande missão!

Quero aproveitar que estamos falando de seu marido para lembrá-la de que você fez um pacto de união com ele e não com seu bebê, e isso significa que essa aliança deve ser cuidada e construída dia-a-dia, entre fraldas sujas e as mamadas da madrugada, você há de reservar amor, cuidados e aquela paciência nova, fresquinha que você está desenvolvendo em seus cuidados com seu filhinho.

E, estando sem tempo para Deus, fale com ele enquanto faz o bebê ninar no seu colo. Escute a Palavra de Deus, aconselhe-se com uma irmã mais madura no intervalo de uma soneca e uma mamada. Aproveite sua maternidade para reconhecer o Deus criador como seu cuidador.

Ah! Aproveito para lembrar você de que sua criatividade também será aperfeiçoada! Quando menos esperar, vai perceber como se tornou capaz de produzir refeições gostosas para saciar a fome do pequeno e ainda o milagre da multiplicação dos últimos tostões do mês capazes de fazer mais uma feira.

Por fim, quero encorajá-la a andar em comunhão com a igreja, lugar onde adoramos nosso Deus e aprendemos mais do amor sobrenatural de Cristo. Local onde nossos dons são utilizados e multiplicados para glorificarmos o nome de nosso Senhor, que é quem nos deu vida e nos capacita para toda boa obra. É na igreja que recebemos graça, instrução e temos o alimento que nos sustenta o espírito.

Depois do chá de bebês, ovelhas (mães) são grandes testemunhas da graça transformadora de Deus.


[i] Pedagogo é um educador profissional da Pedagogia, capaz de atuar em espaços escolares e em não-escolares, na implantação do ensino de sujeitos em diferentes fases de desenvolvimento humano, em diversos níveis e modalidades do processo educativo apresentado pelo pedagogista.

você pode gostar também Mais do autor