Mulheres e a vida no ministério: Expectativa x Realidade

0

Oferta de trabalho: Requisitos: Precisa cantar, tocar piano, possível regência de coral, liderar o grupo de crianças, ensinar na escola dominical, coreografar teatro de Natal e Páscoa, ter habilidade de recitar versículos bíblicos de trás pra frente e ter filhos educadíssimos. Precisa manter o pastor (marido) feliz, bem alimentado e bem vestido. Os colegas de trabalho são difíceis e as horas de trabalho são imprevisíveis. Salário R$0,00

É claro que esta oferta de trabalho é uma brincadeira, porém várias mulheres já sentiram que muitas destas expectativas são comuns para uma esposa de pastor, líder ou missionário e toda sua família também. Nem sempre a expectativa é ruim ou errada, mas o rigor com que isto é cobrado, pode ser exagerado. A cobrança externa pode gerar cobrança interna, resultando em insatisfações generalizadas e desgastes familiares.

Podemos fazer rapidamente uma lista mental de expectativas que a igreja tem da esposa do pastor, como: tocar piano, ser extrovertida, estar sempre na igreja em todas as programações, estar envolvida em vários departamentos (mulheres, crianças, escola bíblica dominical, EBF etc.), estar sempre preparada pra receber convidados a qualquer hora do dia ou da noite, ter uma família exemplar, visitar com o pastor, a lista continua…

Mas quantas destas expectativas são realmente possíveis, ou realistas? Qual a função da esposa de pastor? Será que é diferente da função daquela que é casada com um vendedor ou analista de sistemas? E se você não fosse casada com um pastor? Qual seria sua função? Vamos ver o que a Bíblia diz sobre a mulher:

Gênesis 2:18 “far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea.” (capaz, própria, adequada)

Provérbios 31 fala extensamente sobre a bênção que uma boa esposa (virtuosa) pode ser para o seu esposo.

Provérbios 31:11 “O coração do seu marido confia nela”

Provérbios 31:12 “Ela lhe faz bem e não mal, todos os dias da sua vida.”

Provérbios 31:23 “Seu marido é estimado entre os juízes”

Provérbios 31:26 “Fala com sabedoria

Provérbios 31:27 “Atende ao bom andamento da sua casa”

Provérbios 31:30 “Ela teme ao Senhor, a melhor virtude”

Efésios 5:22 “As mulheres sejam submissas ao seu próprio marido, como ao Senhor”

Efésios 5:33 “… e a esposa respeite ao marido.”

1 Pedro 3:1 “Mulheres, sede vós, igualmente, submissas a vosso próprio marido…”

1 Pedro 3:3 “Não seja o adorno da esposa o que é exterior… 4 seja porém, o homem interior do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranquilo…”

1 Pedro 3:7 “… mulher como parte mais frágil…”

Tudo o que a Bíblia trata como virtudes e deveres da mulher deve ser seguido por todas as mulheres, inclusive as solteiras. Ser casada não te faz melhor ou mais piedosa do que uma mulher solteira, assim como o fato de ser esposa de pastor não te qualifica em outra categoria de esposa, não te faz melhor nem mais piedosa do que outras esposas.

Porém, é fato que somos mais procuradas para aconselhamentos, para liderar estudos bíblicos, para ajudar com as crianças e etc. E mesmo que você não tenha dons para estes cargos (música, ensino), é preciso lembrar que como corpo de Cristo todas nós temos deveres na igreja, devemos suportar-nos mutuamente, levar a carga uns dos outros, devemos cooperar com o trabalho fisicamente e financeiramente.

É bem verdade, que alguns pastores tem famílias muito ativas, onde a esposa toca, a filha ensina e o filho lidera os jovens. Isto tem de ser louvado, mas não necessariamente tem de ser um alvo padrão, pois devemos nos alegrar com qualquer família da igreja que tem membros bem ativos também. Sem dúvidas é uma alegria para todos quando a família do pastor é envolvida, ama o Reino de Deus e trabalha para que ele cresça, isto honra ao Senhor! Assim como outras famílias ativas na igreja podem cooperar para que o trabalho cresça e mais vidas sejam alcançadas e edificadas do mesmo jeito.

Veja o que Pedro diz em 1 Pe 4:10 “Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus.” Se somos despenseiros (mordomos seria a outra palavra) da multiforme graça de Deus, quer dizer que o que temos não é nosso, foi Deus quem nos deu para servir a outros. São presentes, dádivas, talentos que nos foram dados a fim de ajudar outras pessoas. Como você pode servir? Como você pode preparar-se melhor para servir a igreja? Para servir sua família, seu esposo? Pense nestas respostas independente da posição que ele ocupa.

Para muitas mulheres, o ministério pastoral de seus maridos é território árido, onde seus esposos gastam horas e horas entre aulas e livros, estudando grego (literalmente) ou outros assuntos que só o título já é complicado demais para se falar. No entanto, as esposas podem estudar também, teologia também é para a mulher, como o Pr John Piper afirma tão veementemente. Não precisa necessariamente fazer os estudos que eles fazem, mas pode ler um bom livro que vai te ajudar a estar melhor preparada para um momento de aconselhamento, por exemplo. Esta é uma boa maneira de servir ao Corpo de Cristo, de usar os talentos e oportunidades que Deus lhe deu.

Pense de forma racional e escreva, faça uma lista se for preciso: O que você gosta de fazer? Em que áreas da igreja ou ministério você poderia servir? Quais são suas habilidades? Seus dons e talentos? Você os tem usado para glória de Deus ou tem estado atarefada demais com tantas outras coisas que eles estão debaixo da pilha de papéis? De que forma você poderia auxiliar o seu esposo para que ele tenha uma vida mais piedosa? De que forma você pode ensinar aos seus filhos (próprios ou filhos na fé) sobre serviço na igreja? O que eles podem aprender para usar no ministério agora ou no futuro?

Servir ao Reino de Deus é prazeroso, edificante e nos traz uma satisfação gloriosa ao vermos vidas se dobrando aos pés de Cristo, porém nem sempre isto vem sem esforço. Por vezes erramos achando que o serviço no ministério tem de ser como aquela cena da Branca de Neve limpando a casa dos 7 anões, cantarolando feliz e rodeada de animais fofinhos. A verdade é que estes momentos existem sim, mas não são diários. Muitas vezes não vemos a semente germinar, não recebemos nem um “obrigado” depois de servir por horas a fio, não temos lugar de destaque nem somos reconhecidas. Mas isto não pode nunca ser o nosso alvo ou nos desanimar a continuar servindo, pois “se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo, a quem pertence a glória” (1 Pedro 4:11). Nosso foco em servir não pode estar na recompensa terrena que venhamos a ter, mas na glória de Deus, como lemos também no Salmo 115:1 “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua misericórdia e da tua fidelidade.”

É difícil lidar com expectativas que são bem distantes e diferentes da realidade. Isto pode ser bem desanimador no ministério. Mas lembre-se de que o ministério não é seu, nem de seu marido, o ministério é daquele que te capacitou para servi-lo. É Deus que faz a semente germinar e é ele que tem que ter lugar de destaque neste ministério.

Nosso ânimo pode ser bem diferente quando passamos a servir sem ter os olhos nas expectativas do nosso coração, pois este é enganoso e corrupto. Nosso ânimo pode ser renovado quando nossos olhos estão no eterno, mirando a Cristo, aquele que “não considerou o ser igual a Deus algo que deveria ser retido a qualquer custo. Pelo contrário, ele se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se semelhante aos seres humanos. E, reconhecido em figura humana, ele se humilhou, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz.” Filipenses 2:6-8

Cristo é a nossa realidade e não somente expectativas. Ele é o exemplo real de vida perfeita, ele é o molde real ao qual temos de nos amoldar, ele é o auxílio real e nosso apoio, ele é o amor real que nos ama com graça e misericórdia sem que mereçamos.

Que Deus nos ajude a sermos mulheres sábias, sensatas, que edificam seus lares, que auxiliam seus maridos, que servem com seus dons e talentos no ministério e temem somente ao Senhor, olhando sempre para a realidade que Cristo já é para nós.

Devocional Original: Voltemos ao Evangelho.

você pode gostar também Mais do autor