Cristão e Política: direita, centro, esquerda? Qual viés ideológico o cristão deve seguir?

0

Nos últimos 20 anos e após diversos acontecimentos, a Igreja Cristã tem sido despertada e mobilizada para atuar mais ativamente além dos muros das igrejas, em ações diversificadas, não só de evangelismo e caridade, assim como a Palavra de Deus nos ensina (Mt 28.18-20). Os cristãos estão se despertando para seu papel político e social. E isso é muito positivo. As igrejas têm crescido e se multiplicado, a Palavra de Deus tem sido levada adiante. Mas isso é suficiente para transformar uma nação?

Em diversas passagens bíblicas do Antigo e Novo Testamento, onde os ensinamentos da Palavra de Deus eram praticados, as nações eram prósperas, seguras, e viviam em paz (1Cr 11.1-9; 1Rs 10.1-9). No Brasil, porém, o crescimento e a multiplicação de igrejas cristãs nos últimos 20 anos não têm impactado as cidades, os estados e a nação, como esperado. Ano após ano, os índices de criminalidade e violência aumentam, dentre outros problemas sociais. Onde, então, a Igreja tem falhado?

Se o número de cristãos tem crescido, e esses têm assumido papeis profissionais nas diversas áreas da sociedade, para além dos muros das igrejas, os índices de violência deveriam diminuir, os escândalos de corrupção deveriam diminuir, o número de divórcio e de famílias monoparentais deveria diminuir, o índice de doenças sexualmente transmissíveis deveria diminuir; contudo eles só aumentam. Algo está errado, portanto.

A Igreja Brasileira, em grande parte, tem falhado em sua missão de transformar vidas e nações (Mt 5.13-16). Os cristãos passaram a moldar a Palavra de Deus às suas próprias vontades, e não o contrário. Os posicionamentos políticos dos cristãos são um exemplo muito interessante disso. Existem aqueles que se consideram de direita, outros que dizem ter posicionamentos mais centrais, e outros, ainda, que se dizem esquerdistas. Mas poucos deles afirmam se posicionar politicamente segundo os ensinamentos de Cristo.

Ideologias políticas e partidárias podem ou não absorver ensinamentos cristãos. Porém nenhuma ideologia política e partidária no Brasil é 100% baseada na Palavra de Deus. Então, como um cristão pode assumir para si uma ideologia, defendê-la e propagá-la sem antes entender o que Deus diz a respeito dos diversos assuntos que nela são contemplados?

O próprio Jesus era um homem altamente politizado. Ele sabia os problemas da sua nação. Seus ensinamentos eram um reflexo da vontade do Pai para transformar o que estava errado, e nem por isso Ele desrespeitou as regras (Mt 22.17-22). Mas Ele também não Se conformou em manter tudo como estava (Lc 6.6-11).

A Palavra de Deus nos ensina sobre a importância da vida (2Sm 2.6; Ex 20.13), do respeito (Rm 12.10; Lv 19.32-34), da igualdade perante Deus (Gl 3.26-29; Tg 2.1), o que não subtrai as diferenças que o próprio Deus criou para os seres humanos (Gn 1.27), o zelo com nosso corpo (Ef 5.29; 1Co 6.19-20) e o fato de que fomos feitos conforme Ele planejou (Jr 1.5). Somos perfeitos como fomos criados (Gn 1.26a).

A Palavra de Deus nos ensina sobre obediência (Hb 13.10; Ef 6.1; Jo 14.15), sobre o amor ao próximo (Mc 12.31; Mt 5.43-44; Jo 15.12; Tg 2.8), sobre economia (Pv 21.20;22.27; Sl 37.21; Lv 19.36), sobre política (Rm 13.1-7; 1Tm 2.1-2; 1Pe 2.17), sobre segurança (Pv 10.9; Mt 26.52; Lc 22.36), sobre o auxilio aos necessitados (1Tm 5.4,8,10,16; Dt 15.7-8,11;14.28-29), sobre as liberdades individuais (1Co 6.12; Gl 5.13), sobre a propriedade privada (1Ts 4.11-12; Ex 20.15,17a) e sobre várias outras coisas.

Se analisarmos profundamente a Palavra de Deus e as ideologias políticas e partidárias no Brasil, percebemos que algumas permeiam mais os princípios bíblicos, outras, menos, e algumas são completamente antibíblicas. Claro que é importante nos posicionarmos, emitirmos opinião, buscarmos transformação. Mas, antes de qualquer coisa, o centro das nossas escolhas e o que deve embasar nossas opiniões e posicionamentos deve ser a Palavra de Deus.

Se os ensinamentos bíblicos estivessem moldando o coração e o posicionamento de todos os cristãos, é certo que praticamente não haveria diferenças ideológicas no meio do povo de Deus, pelo contrário, predominaria unidade nos posicionamentos com vistas à melhoria da nossa nação.

A Palavra de Deus nunca vai se adequar a uma ideologia pensada para atender os interesses e vontades humanas, pois o coração do homem é falho e enganoso (Jr 17.9). Por essa razão que Deus preparou o povo de Israel enquanto estava no deserto. Em 40 anos, eles passaram de escravos fugidos do Egito a uma nação reconhecida e temida (1Rs 4.24-26). Pela mesma razão, Jesus trouxe vários ensinamentos (Mt 5.17-22,25-26; 6.1,33) para que não nos deixássemos levar por nossas próprias vontades.

Devemos parar de moldar às passagens bíblicasas nossas ideologias terrenas. Devemos nos moldar à vontade de Deus, subtraindo as nossas próprias vontades. Só assim veremos resultados concretos e transformaremos nossa nação. Não adianta sermos uma nação predominantemente cristã e, ao mesmo tempo, totalmente problemática e destruída.

Que assumamos nosso papel e nos posicionemos social e politicamente, não segundo ideologias terrenas, mas segundo o que a Palavra de Deus nos ensina. O povo de Deus não tem ideologia terrena. Cristão segue somente a Cristo e tem a firme certeza de que os ensinamentos da Palavra são o modus operandi para transformar vidas. Vidas transformadas transformam nações. Que não nos desviemos do nosso foco. Nosso foco é Cristo!

você pode gostar também Mais do autor