Cristão e Política: chamados para transformar

0

Ainda há quem diga que política não é de Deus, que lugar de crente não é no espaço público e quem veja todos os políticos como iguais.

Frases como essa colocam o Evangelho dentro de caixas e acabam por categorizar em quais lugares o Evangelho é eficaz e em quais ele não surte efeito. Essa é uma das razões pelas quais não vemos uma transformação real em um país majoritariamente cristão como o Brasil. Esse tipo de pensamento coloca a fé como algo fraco e insuficiente para lidar com assuntos como a política, economia, ciência, arte, cultura etc.

Todavia o Evangelho das caixas não é o verdadeiro Evangelho. Em Colossenses 1 vemos que em Cristo foram criadas todas as coisas. Tudo foi criado por Ele e para Ele, e por meio dEle reconciliou consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus.

O Evangelho de Cristo é poderosamente eficaz para transformar todas as esferas da sociedade, rendê-las ao senhorio de Cristo e estruturá-las de acordo com os princípios que Ele já estabeleceu de antemão.

O verdadeiro Evangelho

Martinho Lutero falava que um evangelho que não trata dos assuntos atuais não é o verdadeiro Evangelho. O encontro com Cristo não somente nos transforma internamente, mas faz mudar nossa visão, pensamentos e ações em relação ao ambiente e às pessoas. Somos chamados para ser luz e sal na sociedade e fazer desses lugares uma extensão do Reino de Deus, pedindo ao Pai para que seja feito na terra assim como é no céu.

Na Bíblia e na história da igreja vemos exemplos de homens e mulheres que Deus levantou para não somente serem salvos e conhecerem o Deus Criador, mas para se levantarem como profetas, mestres, líderes, atalaias, intercessores e servos do Reino para cumprir o propósito que o Pai determinou.

Assim como nos tempos de Ester, Moisés, Daniel, José, Elias, Neemias, Lutero, Calvino e John Wesley, por exemplo, há planos de Deus para um tempo como esse no Brasil. Ele conta com Sua Igreja nessa missão de nos transformar, nos curar e nos render a Ele como nação.

 

você pode gostar também Mais do autor