Coronavírus na Rússia: Reação do estado e da igreja

0

Existem eventos históricos que afetam a vida de muitos, permanecem na memória de uma geração inteira, ajudando a repensar muitas questões. A pandemia de Covid-19 é exatamente uma dessas. O impacto do vírus na comunidade mundial é enorme. Afeta todos os aspectos da vida na humanidade moderna, da economia à religião. E é difícil negá-lo, mesmo porque a maioria de nós hoje está em quarentena doméstica ou visivelmente limitada em mobilidade. Parece que quase nenhum de nós já tenha enfrentado um desafio assim antes.

Como a sociedade, o governo e a igreja russos respondem a essa situação?

Estado e sociedade

Mais recentemente, o presidente russo Vladimir Putin anunciou que esta semana seria uma semana de folga para a maioria dos russos. E em apenas alguns dias, o prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin, que aliás está presidindo o grupo de trabalho do Conselho de Estado na luta contra o Coronavírus, anunciou que esta semana deve ser utilizada em quarentena – você pode sair de casa apenas por excepcionais necessidades, e ele também prometeu implantar, até o final da semana, um sistema de controle, sobre o movimento dos residentes de Moscou, com condições de auto isolamento. Algo semelhante está acontecendo em outras partes do país.

Obviamente, as autoridades estão, agora, tentando impedir o surgimento de uma epidemia real no país, cujo epicentro poderia ser nas maiores cidades, especialmente Moscou.

Por outro lado, eles enfrentam a necessidade de fortalecer a digitalização adicional da economia e da sociedade, a fim de fornecer todos os serviços e ferramentas necessários para a população. Isso criará novos desafios e questões morais que nunca vimos antes, mas isso é coisa para outro artigo.

Em geral, as autoridades russas estão sendo capazes de evitar o pânico e a histeria na sociedade. Embora deva-se admitir que a maioria dos russos não está totalmente ciente do real perigo e ameaça do Coronavírus-19. Para muitos, é apenas algo distante, e que não representa ameaça para eles. E como não existem tantas pessoas doentes (pelo menos de acordo com as estatísticas oficiais, que ainda mostram um número crescente de pessoas doentes todos os dias), encontramos muitos destemidos e descuidados entre os cidadãos, o que reforçou a questão do controle estatal e da responsabilidade civil. Muitas pessoas, sabendo que o período de quarentena e restrições podem durar indefinidamente, simplesmente deixaram a cidade, saindo da cidade para suas casas ou parentes no campo. Parece que as pessoas têm mais medo da quarentena e das consequências econômicas de uma pandemia do que do próprio vírus.

Em geral, políticos russos, funcionários do governo e a imprensa estão tentando motivar as pessoas a ficar em casa. Atores, empresários e figuras públicas se uniram em um slogan – Fique em casa! Mas se os recursos e as plataformas de mídia estão tentando oferecer conteúdo gratuito, por parte das autoridades, o que é bastante esperado, estamos vendo cada vez mais a promulgação legislativa de leis e decretos, não apenas restringindo o movimento e reuniões de cidadãos, mas também atribuindo responsabilidade administrativa, e até criminal, por violações da quarentena e restrições relacionadas. Isso sugere que a situação com o vírus pode piorar com sérias consequências, ou, simplesmente as circunstâncias atuais estão sendo usadas para outros fins e, portanto, as medidas tomadas estão sendo mais rigorosas.

Também podemos ver que o Estado está se preparando para enfrentar as dificuldades econômicas que já estão ocorrendo, e que ocorrerão no futuro, devido à pandemia. Em grande parte, isso diz respeito a pagamentos de impostos das empresas e empréstimos para a população. No entanto, espera-se que haja alguns novos impostos sobre algumas receitas para o próximo ano. Ao mesmo tempo, o governo espera lidar com a turbulência iminente, uma vez que existe uma boa margem de segurança financeira, criada na forma do Fundo Nacional de Assistência Social, em anos anteriores prósperos e bem-sucedidos. No momento, pagamentos especiais estão sendo feitos a categorias socialmente desfavorecidas de cidadãos e kits de alimentos estão sendo distribuídos por toda a cidade, para aposentados, famílias doentes e famílias grandes! A propósito, recebi um kit desses para meus filhos na escola deles hoje. É interessante notar que muitas celebridades insinuam que já adoeceram com esse vírus no inverno, e algumas até apontam para intervenções “do alto” apontando para “quem é que controla o planeta”. Isso abre novas possibilidades para evangelizar e falar sobre temas religiosos no espaço público.

Reação da igreja

A reação da Igreja pode ser reduzida a três palavras: perplexidade, despreparo, reconsideração.

Perplexidade

Acima de tudo, a igreja não sabia como responder a essa pandemia. A Igreja Ortodoxa Russa tem se recusado, de todas as formas, a limitar os trabalhos em seus templos. Muitas vezes, era possível ouvir de vários sacerdotes que não havia vírus ou que isso não nos afetaria, porque tínhamos a verdadeira fé.

Os crentes evangélicos, por outro lado, foram mais obedientes às autoridades seculares ao limitar as reuniões e ajuntamentos, a fim de impedir a propagação do vírus. Eles foram motivados pelo amor a seus vizinhos e submissão a Deus, que ordena obediência às autoridades, exceto quando elas estão em pecado.

Mas eles também ficaram preocupados e constrangidos com o fato de que restrições e interrupções temporárias das reuniões de adoração na igreja pudessem levar ao encerramento completo das reuniões no futuro. As autoridades podem impedi-los de abrir, ou limitar tais oportunidades, por qualquer motivo, aproveitando as circunstâncias atuais ou outras. E isso é muito relevante, porque milhares de igrejas na Rússia se reúnem em casas ou em instalações alugadas.

Despreparo

Em segundo lugar, ficou claro que a Igreja, como um todo, não estava preparada para essa situação, especialmente nas seguintes áreas.

Transmissão pela Internet

Muitas igrejas simplesmente não tinham transmissões on-line, sites ou páginas de mídias sociais que funcionassem bem. Muitos ministros evangélicos das igrejas da sã doutrina simplesmente subestimaram a importância da presença na mídia. E deve-se notar que muitos crentes idosos simplesmente não sabem como usar a tecnologia moderna. E por causa da quarentena, eles, agora, nem podem ser visitados para que possamos configurar seus telefones ou computadores. A sociedade russa está predominantemente presente no espaço da Internet, mas não há forte presença evangélica. Hoje existem tentativas de mudar isso através de alguns recursos, como “Ekklesia” e “Christian Christianity”. Mas esse é apenas o começo.

Comunhão

As igrejas que desenvolvem um modelo de ministério de “atrações” para a vida da igreja, ou as que simplesmente concentravam-se no templo ou construíram seu ministério em torno da adoração de domingo, enfrentaram a evasão dos seu membros porque simplesmente não havia congregacionalismo bíblico, koinonia ou comunhão estreita.

Também muitos crentes simplesmente se distanciaram de tudo o que estava acontecendo, e até da vida de outros crentes, entrando em uma quarentena doméstica fechada até à comunicação, mostrando que a igreja local não era um foco ou fator chave em suas vidas, nem mesmo para ministrar à sua vida espiritual.

Ministros

Em nossa cultura religiosa russa, historicamente as pessoas têm que ir ao templo, as pessoas têm que ir a um sacerdote ou a um monge. Tais expectativas encontraram expressão até na comunidade evangélica, onde aparentemente o pastor deveria procurar seu povo, que está sob seus cuidados. Agora, nenhum deles podem se encontrar uns com os outros. E muitos pastores estão perdidos. Isso também está começando a afetar o bem-estar financeiro e a estabilidade das igrejas e de seus ministros. Preocupações com o futuro das congregações e paróquias da igreja estão começando a surgir entre os ministros. E em breve precisaremos apoiar e incentivar os próprios ministros antes que eles possam apoiar outros crentes.

Reconsideração

O que se descobriu, de fato, é que a Igreja está longe da sociedade ao seu redor. Isso também é confirmado por estatísticas reais. Na Rússia, onde mais de 70% das pessoas se consideram cristãs, apenas 2-3% são realmente pessoas que frequentam a igreja. A influência da religião é insignificante na sociedade russa. E isso é claramente visível durante a pandemia.

E, no entanto, essa situação força as igrejas a se aproximarem das pessoas, a compartilhar de sua dor, sofrimento, medos e experiências. Essas circunstâncias obrigam as igrejas a entrar na Internet, onde quase toda a população do país está hoje, onde podem se comunicar, discutir, orar, evangelizar, conversar e raciocinar juntos.

A situação atual força a igreja a repensar seu papel e lugar na sociedade moderna – ela pode se tornar muito mais próxima das pessoas do que costumava ser. Também nos leva a procurar novas maneiras de discipular e evangelizar. Requer novos recursos e maneiras criativas de interagir entre os membros e com os outros. Ensina-nos a apreciar todas as oportunidades e a não negligenciá-las. Muitas congregações tornaram-se muito mais próximas umas das outras por meio de interação regular, quase diariamente, entre si, através dos meios de comunicação disponíveis. Eu tenho pelo menos uma conferência no Zoom quase todos os dias. Pelo que podemos observar – as igrejas evangélicas espiritualmente saudáveis se tornarão mais ativas após a pandemia, elas simplesmente mostraram melhor viabilidade em condições difíceis do que qualquer outra instituição religiosa.

O Senhor, em sua providência divina, nos permitiu passar pela pandemia para trazer o bem e abençoar os outros através de nós para sua glória. Estou certo de que ele nos preparará para sermos “utensílio para honra, santificado e útil ao seu possuidor, estando preparado para toda boa obra.” (2Tm 2. 21).

A crise atual cria muitas oportunidades para a expansão do Reino na Rússia, oportunidades que, antes, simplesmente não existiam ou pareciam ineficazes. Nada pode superar a ansiedade e a preocupação, exceto o evangelho de Cristo. Nada pode preencher o vazio de um coração que se desvanece e satisfazer a alma como a cruz de Cristo. Nada pode superar o medo e o desespero mais do que a ressurreição de Cristo e seu cuidado amoroso. Nada pode superar melhor o estado de solidão e derrota do que a presença do Cristo Vivo pelo Espírito Santo em nós. Não há maior inspiração em nosso mundo do que a igreja de Cristo, que é movida por seu amor.

você pode gostar também Mais do autor