Como águas de um dilúvio

0

É evidente que nenhum planejamento de escoamento de água pluvial é suficiente para evitar os estragos de uma chuva tão intensa em tão curto tempo, mas pode-se dizer que uma das causas de tamanho estrago é, sim, em razão das decisões tomadas pelo poder público no Plano Diretor, quando permitiu o tapamento da terra, de áreas verdes e rios, com concreto e estruturas impermeabilizantes. Dessa forma, a água não tem local para se dissipar e acaba sendo canalizada pelo asfalto até atingir zonas mais baixas de nossa cidade e, assim, causar tantos danos ao cidadão de Belo Horizonte, no caso.

Se fizermos um paralelo com o final dos tempos, podemos observar que o povo tem sido atormentado por escândalos de corrupção em todas as esferas de poder, por guerras entre facções criminosas nas comunidades, pela criminalidade intensa em todo o país e por desastres decorrentes da negligência do poder público. Mais do que nunca, o cristão tem sido perseguido e odiado pelo simples fato de ser cristão. Como águas de um dilúvio, essa tormenta tem afligido nossa sociedade!

Muitos que pregam em nome do Senhor têm sido alvo de escândalos, uns traindo os outros, e uns odiando aos outros. Mas o mais evidente nesta geração é a multiplicação da iniquidade, onde o pecado se torna cada vez mais normal e frequente, fazendo com que o amor de muitos se esfrie, deixando de orar, parando de louvar, abandonando ministério e ausentando-se do Corpo de cristo, a Igreja. Assim como o concreto tampou a terra de BH, o pecado tem impermeabilizado corações, evitando que recebam a presença e o refrigério de Cristo. Dessa forma, sonhos, relacionamentos e chamado têm sido inundados, destruídos e levados embora.

“Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca. E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem” (Mateus 24.38,39).

Precisamos ser resilientes para evitar que nosso coração seja concretado e impermeabilizado pelo pecado, pois precisamos estar atentos e vigilantes para o momento em que o Senhor voltar.

Fonte: lagoinha.com

você pode gostar também Mais do autor