A convincente singularidade do Evangelho

0

É impossível ser ambivalente sobre Jesus. Ele mesmo disse isso (Mt 12.30). Não deveria ser surpresa, então, ver que enquanto Jesus viajava pregando, ensinando e ministrando, ele possuía um efeito polarizador imenso sobre aqueles com quem se encontrou. Alguns responderam com admiração amorosa e outros com ódio efervescente. E isso não teria sido verdade se Jesus fosse simplesmente o que muitos pensadores modernos presumem que ele era – um bom professor de moral. Não, Jesus não estava tão seguro assim. Jesus Cristo é uma ruptura espiritual do continuum espaço-tempo.

Assim como nos dias de seu ministério terreno, as afirmações da verdade de Cristo e sua igreja continuam a ressoar e repelir. Claro, é com a repulsa que muitos evangélicos hoje estão preocupados. Alguns deles estão preocupados o suficiente com isso que procuram suavizar algumas das arestas mais difíceis da fé cristã para torná-la mais atraente. E o que descobrimos ao adulterar a mensagem de Jesus é que podemos suavizar as objeções das pessoas a ele, mas também moderamos seu entusiasmo. O Jesus seguro do evangelicalismo moderno não é ofensivo, mas também não é muito convincente.

Não, nós devemos abraçar o verdadeiro Jesus – Jesus como ele era e é, com todas as exigências de tomar a cruz e verdades que revelam a alma. E quando o fizermos, descobriremos que, apesar de toda a animosidade que o verdadeiro Jesus desperta, também há muitas afeições por ele suscitadas. É assim que o próprio Jesus descreveu esse fenômeno:

“Rodearam-no, pois, os judeus e o interpelaram: Até quando nos deixarás a mente em suspenso? Se tu és o Cristo, dize-o francamente. Respondeu-lhes Jesus: Já vo-lo disse, e não credes. As obras que eu faço em nome de meu Pai testificam a meu respeito. Mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas. As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão. Aquilo que meu Pai me deu é maior do que tudo; e da mão do Pai ninguém pode arrebatar. Eu e o Pai somos um.” (Jo 10.24-30).

Há algo fascinante aqui, algo que se desenvolve no plano espiritual. Jesus está basicamente dizendo que a falta de devoção dos judeus a ele não é devido à falta de dados. Ele disse a eles a verdade. Mas alguns têm “ouvidos para ouvir” e outros não. Não há meio termo. Ou você pertence a ele ou não.

Esta é a primeira forma pela qual a mensagem do evangelho de Cristo é tão convincente: você tem que responder a ela. E você notará, se ler um pouco mais adiante na passagem, que depois de Jesus dizer: “Eu e o Pai somos um”, eles pegam em pedras para matá-lo.

Quando você traça um limite, você obterá uma reação, nem sempre positiva. Algumas pessoas vão rejeitá-lo, às vezes com hostilidade. Mas outros se aproximar. O que as pessoas não podem fazer com um cristianismo exclusivo é ser ambivalente sobre ele. O evangelho força um posicionamento.

Acho que isso pode ser o que esteja contribuindo para o reavivamento silencioso na Nova Inglaterra, que agora é a região com menos igrejas da nação e está repleta de pessoas que afirmam amar a inclusão e a tolerância. Desde 1970, a população de Boston diminuiu, mas o número de igrejas na cidade quase dobrou, e o número de pessoas que frequentavam a igreja mais do que triplicou no mesmo período.

Em toda a Nova Inglaterra, as igrejas conservadoras estão crescendo lentamente, enquanto todas as outras estão em declínio contínuo. Você poderia pensar que este não deveria ser o caso, visto que o “Jesus seguro” é encontrado nas igrejas congregacionalistas mais liberais e heterodoxas. Mas o Jesus convincente, ao que parece, é encontrado nas comunidades evangélicas.

Como as igrejas evangélicas com teologia conservadora estão pregando essa antiga história levando as pessoas à fé no solo duro do nordeste da Inglaterra? Bem, parece contraintuitivo, mas quando você impõe um limite, você tende a mover as pessoas.

Mas o evangelho de Jesus é singularmente atraente por outro motivo: ele fornece segurança. Ao contrário de outras religiões ou filosofias, o Cristianismo não oferece certeza da vontade humana ou do intelecto humano. Em vez disso, oferece a certeza da vontade e expiação divinas. A segurança que o evangelho exclusivo do cristianismo oferece é diferente da segurança oferecida por outras religiões, que dizem: “Se você conseguir passar por cima desses obstáculos, poderá ser salvo”.

Esse tipo de religião parece seguro na superfície, mas há muitas variáveis ​​envolvidas. Todas as outras religiões são uma esteira de saltos de arco. Você nunca pode ter certeza de que irá longe o suficiente ou se tornará bom o suficiente para “fazer isso”. O cristianismo, no entanto, por causa do que Cristo fez, oferece a segurança que diz: “Não há nada que você possa fazer que leve Deus a amar menos você”.

Lembro-me de compartilhar o evangelho com um motorista de táxi muçulmano em Washington, D.C., e o motorista disse uma coisa que realmente guardei comigo. Ele era um muçulmano nominal, como ele mesmo admitiu; ele era a versão islâmica de “espiritual, mas não religioso”. Eu perguntei a ele o que ele acreditava sobre o perdão, e ele disse que havia coisas que você poderia fazer que seriam tão ruins que Deus não poderia perdoá-lo. Ele disse que esse era um dos problemas do terrorismo islâmico – Alá não perdoaria isso. É muito terrível. Apreciei que ele tivesse entendido gravidade do pecado. O assassinato é realmente um pecado terrível que merece a ira – o assassinato em massa ainda mais. Mas eu queria que ele também entendesse, de alguma forma, a grande gravidade da graça.

Ele não conseguia imaginar um Deus que fecharia os olhos ao assassinato. Mas não temos um Deus que fecha os olhos ao assassinato. Ele pune todo assassinato; ele pune todo pecado. Acontece que, para aqueles que se arrependem e creem em Jesus Cristo, a punição é suportada por Cristo na cruz.

Este tipo de exclusividade – a graça salvadora exclusiva do Cristianismo e exclusiva para aqueles que confiam em Cristo – fornece o melhor tipo de segurança porque postula que o refúgio da ira de Deus só é encontrado no próprio Deus. E não há lugar mais seguro do que o próprio Deus.

Devocional Original: Voltemos ao Evangelho.

você pode gostar também Mais do autor